Centro MAGIS Anchietanum realiza Vigília de unidade dos cristãos

Compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

As vésperas da Solenidade de Pentecostes, Centro MAGIS Anchietanum reúne jovens para rezar em prol da unidade dos cristãos

Ronnaldh Oliveira via Centro MAGIS Anchietanum

Celebrando, em comunhão com toda a Igreja, a Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC), promovida pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), diversos jovens, religiosos, sacerdotes e leigos estiveram presentes para a já tradicional Vigília da Unidade promovida pelo Centro MAGIS Anchietanum.

Com a presença do referencial da Arquidiocese de São Paulo para o diálogo interreligioso e ecumênico, padre José Bizon, o encontro contou com cantos de Taizé e reflexões de leituras e salmos da Sagrada Escritura.

Padre José Bizon, referencial para o diálogo interreligioso e ecumênico da Arquidiocese de São Paulo levou os participantes a refletirem sobre a unidade a partir de gestos concretos/ foto: Ronnaldh Oliveira

“São tantas violências e divisões que aflingem nossa sociedade. É preciso olhar coma tenção para tudo isso. É preciso tolerância, respeito, é preciso amor – aquele que Cristo mesmo nos amou”, disse padre Bizon em sua reflexão.

O sacerdote que é o guardião da Casa da Reconciliação em São Paulo, espaço de encontro dos diversos seguimentos religiosos na cidade, ainda se pronunciou sobre a tragédia do Rio Grande do Sul: “um dos grande sinais de unidade, de presença do Cristo é o que tem acontecido no Rio Grande do Sul. A vasta solidariedade para com aqueles que perderam tudo. O movimento das Igrejas, dos fiéis em contribuírem de alguma forma com os irmãos e irmãs que padecem”, disse.

Semana de Unidade dos Cristãos

No hemisfério norte a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos é celebrada entre os dias 18 e 25 de janeiro, data proposta em 1908 por Paul Watson por cobrir os dias entre as festas de São Pedro e São Paulo. Por outro lado, visto ser este o período de férias no hemisfério sul, as Igrejas habitualmente escolhem outras datas para celebrar a Semana de Oração. No Brasil, a semana aconteceu este ano de 12, Ascensão do Senhor, a 19 de maio, Solenidade de Pentecostes, (de acordo com o que foi sugerido pelo movimento Fé e Constituição em 1926), que é também uma data simbólica para a unidade da Igreja.

A centralidade do amor na vida cristã

O amor é o “DNA” da fé cristã. Deus é Amor e“o amor de Cristo nos reuniu na unidade”. Encontramos nossa identidade comum na experiência do amor de Deus (cf. Jo 3, 16) e revelamos essa identidade ao mundo pelo modo como amamos uns aos outros (cf. Jo 13, 35). Na passagem selecionada para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2024 (Lc 10, 25-37), Jesus reafirmou o ensinamento judaico tradicional de Deuteronômio 6, 5: 2 Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças”; e Levítico 19, 18b: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

O doutor da lei na passagem do Evangelho pergunta imediatamente a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Muitos dos primeiros escritores cristãos, como Orígenes, Clemente de Alexandria, João Crisóstomo e Agostinho, viram a trajetória do plano de Deus para a salvação do mundo na Parábola do Bom Samaritano. Eles viam o homem que descia de Jerusalém como uma imagem de Adão – ou seja, de toda a humanidade – descendo do paraíso para este mundo, com todos os seus perigos e rupturas, e os ladrões como uma imagem dos poderes terrenos hostis que nos assaltam. Eles viram o próprio Cristo como aquele que, movido pela compaixão, veio em auxílio do homem meio morto, tratou de suas feridas e o levou para a segurança de uma estalagem, que eles viram como uma imagem da Igreja.

A promessa do samaritano de voltar foi vista como um prenúncio da promessa da segunda vinda do Senhor. Os cristãos são chamados a agir como Cristo, amando como o Bom Samaritano, mostrando misericórdia e compaixão para com os necessitados, independentemente da sua identidade religiosa, étnica ou social. Não são as identidades compartilhadas que devem nos levar a ajudar o outro, mas o amor ao nosso “próximo”. Entretanto, a visão de amor ao próximo que Jesus nos apresenta está sendo ameaçada no mundo atual. As guerras em muitas regiões, os desequilíbrios nas relações internacionais e as desigualdades geradas pelos ajustes estruturais impostos pelas potências ocidentais ou por outras forças externas inibem a nossa capacidade de amar como Cristo amou. É aprendendo a amar uns aos outros, independentemente das nossas diferenças, que os cristãos podem se tornar próximos como o samaritano do Evangelho.

Centro MAGIS Anchietanum promove a semana do Voluntariado Jovem para os estudantes da RJE

Estudantes de três colégios da Rede Jesuíta de Educação (RJE) vivenciam a campanha “Ser mais com os demais” em São Paulo/SP

Centros MAGIS participam de II Seminário vocacional com temática sobre mundo digital

Evento discutiu a necessidade de adaptar a evangelização às transformações digitais, destacando a importância da pedagogia vocacional nos ambientes virtuais

Centro MAGIS Anchietanum celebra São Pedro com tradicional arraiá

Arraiá do Anchietanum reuniu jovens, jesuítas e colaboradores para uma noite de alegria, dança e comidas típicas

Centro MAGIS Anchietanum Inicia Itinerário Formativo no PROVOCA SANFRA

Evento reúne 120 jovens para discutir Projeto de Vida e a Campanha Inter-redes Ser Mais Com os Demais